terça-feira, 31 de outubro de 2017

Das arté-rias que fluem (flores)

Flor
indo
vou
indo
flor
e ser.

Pensamento 23 de 365

  "o essencial é invisível aos olhos"

Ficam surpresos com a idade. Mas já tão nova. Não se decide o que está por dentro. Simplesmente vive. Não se espera. Desperta. Não era uma questão de tempo, não só, mas de descoberta. E foi cedo. Foi ainda adolescente. Que descobriu um coração gigante. Que enxergou outros corações. E pra isso não tinha idade. Não tinha época certa. Não era preciso esperar ficar adulto. E ainda bem que não. Ainda bem que foi assim. Ainda bem, ainda bem que percebeu. 
Não se pode pedir pra esperar o que já está saltando de dentro. Não é pra depois. É pro presente. É presente. Presente do tempo. Um presente do agora.
E tudo aquilo não era cedo. Era simplesmente o se descobrir. E (sem hesitar) ser. Era simplesmente sentir o vivo, sentir o pulsar. E sentir o que ainda estava por vir. Escreveria sobre o que ainda iria acontecer: o coração desperto:

Es-crê-ver. 

Como a inspiração que vem na hora que ela decide vir. E se não atendo, vai embora. Se perde o que eu nem mesmo sabia que estava por vir. Se ganha voz, me cresce.

Que eu possa
que possamos
descobrir.

sexta-feira, 20 de outubro de 2017

Resistência

O doce gosto se saber no futuro que o que foi feito era o certo. Não um orgulho, mas simplesmente a leveza de manter o sentimento certo. De permanecer acreditando enquanto havia dúvida ao redor. De ensinar, talvez a ninguém, mas a mim mesma o que é firmeza. 

Um dia tudo se esclarece.