segunda-feira, 23 de julho de 2018

Ser grão, se(r)mente

As veias vão se abrindo em mim como caminhos não percorridos. Em mim, mas desconhecidos. Vielas da mente que vão se expandindo a medida que as ilumino, vou acendendo a luz. Encontro o mais do que eu poderia e saber que sempre pude. Mas o cotidiano as fecha. Interrompe. O ônibus, o trem, pro trabalho, pra casa, dormir, preciso, comer. Preciso. Necessidades que se giganteadas, me escondem, me faço pequena, 
um simples grão. 
E grão sem mente. 
Sem ser semente. 
É preciso, sim. Alimentá-las, sim, e ultrapassá-las, não são o suficiente. Existo mais que elas. Apesar de serem condição pra minha existência, 
existo além. 
Sacio, mas não me bastam. E não me bastar, há a descoberta. O ir além encontrando o além em que pertenço. E me encontrar verdadeiramente. Saber o que não sabia, 
enxergar. 
Crescer.
Ser.

Para Ester

Há pessoas que tocam nossas almas. No momento em que os olhos se encontram, não se percebe, mas já estava guardada. Guardada pra encontrar o meu caminho, pra me tocar. E mais do que isso: me ajudar a crescer. E cresço. No momento não se entende, mas, depois, como um amigo mais velho que sabe da vida, o sentido se aproxima e se esclarece. Era para ser assim. 
- Te fiz uma surpresa. Mais uma. - a vida. 
Por mais difícil que possa ser, deixa uma chama viva: permaneça comigo. Te quero aqui. No tocar dessas almas, nascem flores. A gratidão, a sabedoria. O bem. Só se acrescentam, só desabrocham. Só, como se fosse apenas isso. E no momento desse encontro, a vida me testa. Para saber se estou pronta ao próximo encontro. Se respondo com a mesma gratidão, mesma felicidade. Se cresço verdadeiramente. Eu espero que esteja. 

A flor que levei em minhas mãos, com terra, foi pra florecer. Assim como eu flori um pouco mais e simplesmente por você ser quem é. O coração de mãe. O enxergar o bem e o acreditar no outro. Acreditar em mim, saber da minha verdade, da minha ajuda. E me ajudar. E ajudar outros. Por ter em mente o que era o certo. Tua luz encontrou a minha e quero seguir irradiando. Que sigamos.

segunda-feira, 23 de abril de 2018

Resistência II

De reconhecer que o caminho que escolhi não era o melhor. Foi o melhor. Mas de saber que agora há outros caminhos, e você escolheu primeiro. Disse que era eu. Mas foi você quem escolheu primeiro. E aí veio o descompasso. A estranheza, essa coisa estranha.

Mas sou firme.
Somos.

E a vida é feita de caminhos.
Estarei naquele que for o melhor.
Aquele que ela escolheu pra mim.

E agradecendo por todos que vivi.
Isso como uma construção por dentro. Em que não sou mais a mesma, mas estarei ainda mais perto de ser quem eu sou.

Essa, a coragem de encarar o caminho.