quinta-feira, 29 de setembro de 2011

O amor dos amantes

- Como podes me amar se nos conhecemos há tão pouco tempo?
- O tempo pode controlar tudo, menos meus sentimentos. Amo-te e deixe o tempo de fora desta conversa.
- Por que não dissestes antes se este sentimento já estavas totalmente formado?
- Falas como se fosse algo fácil de se fazer, como o abrir dos olhos ao acordar
- Desculpe-me.
- Não quero tuas desculpas.
- Sei o que queres.
- Então, por que tu não o falas logo de uma vez?
- Como se fosse algo fácil de se fazer, como o abrir dos olhos ao acordar.
- Falaremos juntos.
- Não. Já está dito. Nossos corações, além de sentimentos, criaram lábios, já o disseram.  

Ela também o amava, mas não sabia, descobriu de tal fato enquanto tinham este diálogo. Tudo passou a ser tão claro, cristalino, não havia mais dúvidas e as palavras foram ditas pelos olhares, pelo coração que mal se aguentava dentro do peito de tão tomado pelo sentimento que estava, ele teve que falar. E falou. E todos ouviram. Da janela, encostei-me e avistei  o casal, sonhei em viver um amor como o deles, os desejei boa sorte nessa caminhada.

3 comentários:

Marcelo disse...

Laryssa, mais uma vez muitíssimo obrigado pela visita lá no blog. =)

αmαndα cristinα ツ disse...

O amor não precisa ser dito para ser compreendido. Os simples atos nos levam à crer que, definitivamente, estamos apaixonados.
Belíssimo texto, Laryssa! Gostei muito da maneira como você escreve. É perfeito! Estarei acompanhando-a!


Beijinhos,
www.primeiro-livro.com

Karoline Freitas. disse...

Além de escrever textos inteligentíssimos e me fazer ficar pensando sobre eles, sabe escrever doçuras tão intensas para me deixar perdida de amores entre cada palavra. Não sei o que dizer.