segunda-feira, 26 de março de 2012

A pena

Há pena
onde apenas
não deveria
existir pena


Apenas há pena
onde não deveria
existir

Há pena
apenas onde
não há pena

Porém,
há penas
em pelos
há penas
em pele,
quero voar

A pena que
comanda a mente
comandada
 pelas mãos
escreve, voa
mentalmente
pelas nuvens
da imaginação

A pena que sente
que descreve
que enxerga
que ouve
que cria
que dá vida
que faz voar
pelo mundo
da emoção
das palavras,
o mundo
aqui dentro,
bem adentro
do coração

A pena que toca
que me toca
que te toca
sem ter mãos

A pena que me dá asas
que me traz respiração
suave, leve
como um sorriso
de felicidade
de inspiração

Há penas
em pelos, 
em pele
quero voar


[Começo escrevendo uma coisa e termino escrevendo outra.]

2 comentários:

Natália Campos disse...

Que pena! Não posso descrever tamanha beleza em teus versos. Não posso, porque não consigo. Boníssimo e fim!

Um beijo, Lari <3

Jeniffer Yara disse...

Poderia ser um canto de um pássaro esse seu poema. Lindo. Escreves muito bem.

Beijos
http://mon-autre.blogspot.com.br/